Home » Entretenimento » ESPETÁCULO MUSICAL TRATA DA CRIAÇÃO DO SER-HUMANO POR MEIO DE MITOS AFRICANOS

ESPETÁCULO MUSICAL TRATA DA CRIAÇÃO DO SER-HUMANO POR MEIO DE MITOS AFRICANOS

Tradição Viva_Foto Estúdio Gunga (1) (Copy)

Espetáculo musical celebra a Semana da Consciência Negra

“O homem é o universo em miniatura”. A partir desta frase, a companhia Foli Ayê cria seu trabalho de estreia, “Tradição Viva”, espetáculo musical sobre a história da criação do ser-humano segundo a tradição Bambara do Komo (povos do sul do Saara, antiga Barfur) e sobre a criação do planta Terra, por meio itans (mitos) dos Yorubás. Em curta temporada, a peça será apresentada entre os dias 21 a 23 de novembro, às 21 horas na sexta e no sábado, e às 20 horas no domingo, e marca o contexto de comemoração da Semana da Consciência Negra.

A tradição do Komo vem dos povos que hoje habitam a República do Mali, país africano ocupante da África Ocidental, cujas fortes influências fincaram raízes no Brasil depois da diáspora africana. Ao longo da peça, o mito traduz o nascimento e as funções tradicionais dos orixás, recriando a concepção das religiões de matrizes africanas no Brasil.

Com texto que encanta crianças e adultos, os personagens desses mitos serão representados por bonecos e traduzem o ofício dos griôs, sábios contadores de histórias, conhecidos pela perpetuação da tradição oral. Música, dança, artes visuais, projeções e outros recursos se alinham para uma recriação lúdica da criação do planeta Terra e do homem sob a ótica dos africanos da tradição Bambara e dos povos Yorubás. A ideia do grupo é utilizar a montagem como referência para o povo brasileiro, compartilhando os conhecimentos e saberes tradicionais africanos e justificando a autenticidade cultural dos descendentes dos negros escravizados no Brasil que, em sua maioria, vieram desta região.

No mito, Maa-Ngala, o Deus-Mestre, criou vinte seres, que constituíram o conjunto do universo. Na imagem dessas vinte primeiras criaturas, Maa-Ngala notou que nenhuma estava apta a tornar-se seu interlocutor. Então, recolheu um pedaço de cada uma das criaturas, misturou tudo e criou o vigésimo primeiro ser – o homem – e deu o nome de Maa. Se Maa-Ngala era Deus, Maa era o homem, um ser que ganhou um corpo especial, vertical e simétrico, com um pouco de cada um dos outros seres existentes.

Conta-se também sobre o aparecimento das divindades Oxalá (ou Obatalá), deus da criação que instalou o seu reino em Ifé, lugar sagrado dos yorubás. Fala-se que Obatalá tinha um irmão mais jovem chamado Oduduwa, que ambicionava executar as tarefas que Olòdùmarè confiou a Obatalá e, para tanto, armou uma cilada, provocando muita sede em Obatalá, que se encontrava bastante cansado da viagem. Ao se aproximar de uma palmeira, usando seu cajado, furou a dita palmeira e bebeu o emu (vinho de palma) que jorrava. Exausto embriagou-se rapidamente e ali mesmo deitou e adormeceu. Oduduwa, que vinha de espreita na retaguarda, passou à sua frente, e tornou-se fundador dos povos yorubás.

O musical “Tradição Viva” traz grande amparo na musicalidade original dos tambores Malinké e Yorubás, somando os recursos da sonoplastia e execução de trilha sonora ao vivo com instrumentos de corda, sopro e percussão que encontram-se em conexão com os elementos terra, ar e água abordados no referido mito.

O texto do espetáculo, de autoria de Nãnan Matos, com a colaboração do diretor de cena e dos bonequeiros, é construído a partir de um diálogo entre o velho sábio Neco e a jovem Aroni, interlocutora que aprende um pouco da história de suas raízes africanas, através da contação de histórias e de danças e músicas compostas especialmente para o espetáculo. A peça apresenta ao público um diálogo entre a cultura afro-brasileira e as culturas africanas, como forma de resgate das tradições ancestrais e de fortalecimento dos fundamentos e saberes populares dos povos que formaram a identidade brasileira.

Sob a direção de Abaetê Queiroz, o espetáculo conta com os bonequeiros Fabiola Resende e Thiago Francisco e os dançarinos Louise Lucena e Rafael Portela no elenco. A direção musical de “A Tradição Viva” é de Nãnan Matos, que é acompanhada, em cena, pelos músicos André Costa, Diogo Cerrado, Dani Neri e Felipe Fiúza. A concepção e criação dos arranjos musicais são do músico paulista André Ricardo. A preparação corporal, contextualizada nos movimentos africanos dos povos do oeste e dos yorubás tem parceria e consultoria de Luciane Ramos (SP).

A tradição Bambara do Komo confere extrema importância à kuma (palavra), atribuindo a ela não só um poder criador, mas também a dupla função de “conservar” e “destruir” a tradição, sendo a fala, por excelência, o grande agente ativo da magia africana. A concepção do projeto tem como ponto forte a valorização da transmissão de conhecimentos através da linguagem oral, forma tradicional e popular de compreensão cultural.

Assim como no Brasil, um dos grandes desafios africanos hoje é o de integração das populações mais jovens aos costumes e saberes ancestrais. Os modelos europeus colonizadores colocaram em contraponto o cartesianismo, modo particular de “pensar o mundo” e o animismo, modo particular de vivê-lo e experimentá-lo, na totalidade do ser, criando um abismo cultural entre o que se foi e o que se é.

O musical foi contemplado no edital de Montagem de Espetáculos do Fundo de Apoio à Cultura do Governo do Distrito Federal – FAC/DF. Pela estreia, o espetáculo circulará com apresentações no Plano Piloto e na Ceilândia e conta, ainda, com tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), em sessão especial.

Tradição Viva

Data: 21 a 23 de novembro de 2014
Horário: sexta e sábado às 21 horas, domingo às 20 horas
Local: Teatro Plínio Marcos – Complexo Cultural da Funarte (Via Eixo Monumental, Lote II, Setor Divulgação Cultural – Brasília, DF, 70070-350)
Classificação indicativa: Livre
Duração: 90 minutos
Capacidade: 542 lugares
Informações: (61) 3322-2076
Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Crédito foto: Estúdio Gunga

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios são marcados com *

*

Assunto